Safári na África do Sul: dicas e como planejar um

Muitas aventuras, paisagens incríveis e animais selvagens. Um Safári para África do Sul não pode ficar de fora da rota dos mochileiros de plantão.

Safári na África do Sul: dicas e como planejar um

Entre alguns dos destinos mais procurados pelos viajantes e aspirantes à volta ao mundo está a África do Sul, mais precisamente para os seus safaris incríveis, curiosos e indomáveis.

E ao falar de safári na África a primeira coisa que vem na mente são aqueles jipes cercados por animais incriveis, não é mesmo? Mas um safári é muito mais do que isso, envolve aventuras em meio a savana, observar animais selvagens, conhecer uma cultura riquissima, além de contemplar belissimas paisagens. 

Mas, afinal de contas, o que é um safari?

Imagem: La Brujula Verde

Inicialmente era chamado de safari os encontros feitos por caçadores em regiões selvagens da África para obter pele, ossadas e presas de diferentes animais. Esse tipo de safári durava longos períodos e forçava os caçadores a acampar nessas regiões. No entanto, alguns animais começaram a ser extintos nessas localidades e os safaris, como eram conhecidos, foram pouco a pouco combatidos. Com isso, os safaris passaram a nomear passeios e expedições organizadas previamente por grupos de guias, que já conheciam as regiões. O objetivo era exatamente o que conhecemos agora: conhecer os animais de perto, em seu habitat natural.

Porque os safáris da África do Sul são os mais famosos?Imagem: Tu Gran Viaje

Existem outros lugares no mundo que oferecem experiências fantásticas quando falamos em safari, como Ruanda, Tanzânia, Zâmbia e Zimbábue. Mas os safáris na África do Sul ganharam fama por contarem com o maior parque do gênero, o Parque Nacional de Kruguer. O espaço tem mais de 20 mil km de área selvagem, repleta de espécies como elefantes, rinocerontes, leopardos e os queridinhos dos turistas, os leões.

A África do Sul também conta com o deserto do Kalahari, a reserva de Hluluwe-Umfolozi e as montanhas de Drakensberg, que oferecem paisagens incríveis e inimagináveis, de tirar o fôlego de qualquer pessoa.

O Parque Nacional de Kruguer

Imagem: Morar Kallas

Como já mencionamos anteriormente, o Parque Nacional do Kruguer é gigantesco. De acordo com o site oficial - http://www.krugerparktour.com – são mais de 30 anfíbios, mais de 110 répteis, aproximadamente 150 espécies de mamíferos, cerca de 50 espécies de peixes, mais de 200 espécies de borboletas e outros 500 diferentes tipos de pássaros.

O parque conta com diversas áreas de camping e espaços exclusivos com acomodações muito boas, inclusive com quartos luxuosos. Apesar de se tratar apenas de um parque, não indicamos marcar poucos dias para visitar o Kruguer, pois ele é totalmente marcado por estradas de asfalto, nas quais não é permitida a velocidade acima de 50km/h nos veículos, então você não vai andar longas distâncias com tanta rapidez. Além disso, a região é muito chuvosa e quente, então é importante você marcar paradas para se hidratar e descansar entre os passeios.

Por onde começar a planejar o seu safári na África do Sul?Imagem: Tô Pensando em Viajar

Como qualquer outra viagem, um safári na África exige muito planejamento, mas como você estará em regiões de reserva, selvagens e desconhecidas, todo cuidado é pouco e é importante pesquisar o máximo que puder.

Por exemplo. Você pode optar fazer o seu safári por conta própria, se hospedar em lodges, camps ou contratar uma empresa de viagens para gerar um pacote completo para a África do Sul.

É importante saber, principalmente se deseja ir por conta própria, que é necessário pagar taxas de conservação no parque, além de alugar um carro específico e indicado para o local. De resto, só os benefícios que qualquer viagem por conta própria te oferece, como fazer o seu horário, ter seu próprio e exclusivo meio de locomoção e ficar em áreas específicas quanto tempo quiser. Mas isso vai fazer com que você tenha que se hospedar fora da reserva.

A viagem por conta própria e sem guia também precisa ser bem cautelosa, então respeite todas as indicações da reserva, como não abrir as portas e nunca sair dos carros.

Muita gente acaba ficando com medo da reação dos animais, mas a verdade é que eles ficam mais curiosos do que revoltados. Os animais que costumam se aproximar de forma menos controlada dos visitantes são os elefantes jovens. Já foram relatados diversos casos em que os animais chegam a balançar e empurrar os carros. Por essas e outras situações que o mais aconselhável mesmo é realizar o safari com o auxilio de um guia, já treinado e acostumado a lidar com eventos desse tipo.

De uma forma geral, o animal que mais deve te preocupar é o mosquito transmissor da malária, apesar da região dos safaris ser mais seca e com incidência pequena da doença. A dica é utilizar SEMPRE muito repelente, mesmo por cima da roupa, e dar preferência a roupas de manga comprida, assim como calças e calçados reforçados.

Seguindo o planejamento, se você optar em se hospedar dentro dos parques e reservas, você tem a opção mais barata – utilizando os camps – e a opção mais cara – reservando lodges ou acomodações privadas. Em alguns casos, as taxas do safari podem ser até incluídas no valor total da hospedagem, dando mais conforto e tranquilidade à sua viagem.

Os lodges, por exemplo, oferecem um serviço “all inclusive” para seus hóspedes, que inclui alimentação, mas você fica à mercê dos horários marcados para os passeios e pode ter que dividir o carro com outros hóspedes.

Não se esqueça do guia profissional, que é quem vai te orientar durante toda essa experiência maravilhosa.

Documentos e organização das malas para o Sáfari

Imagem: Viajali

Assim como em outras viagens internacionais, para fazer o seu safári na África você vai precisar de um passaporte válido. Observe suas conexões para saber se o visto será necessário para alguns dos países pelos quais vai passar.

É de extrema importância que você tenha o certificado internacional de vacina e já tenha tomado a vacina contra a febre amarela pelo menos 10 dias antes da sua viagem.

E sabe aquelas 10 malas de rodinha que você ama levar nas suas viagens? Esqueça elas! O ideal para uma viagem safari é levar mochilas mesmo. Cuidado com o excesso de peças de roupas. Opte pelos modelos mais neutros, leves e que protejam a pele do sol e dos insetos. Uma peça de roupa bacana para levar são blusas impermeáveis, já que a região é bem chuvosa.

Não se esqueça do repelente. Existem opções bem potentes no mercado, perfeitas para a viagem. Outros itens importantes para levar na mochila são: óculos de sol, filtro solar, bonés e chapéus. Câmeras e binóculos são opções interessantes para registrar a viagem e poder observar os animais com mais clareza.

Quando falamos sobre o uso de roupas em tons mais neutros, não é apenas uma questão de look. Sabe aquele conjunto cáqui que todo explorador usa nos filmes? A tonalidade ajuda a evitar que os insetos se aproximem, então é uma boa apostar em peças dessa cor. Evite roupas pretas, por conta do sol e calor e dê preferência a peças de algodão, que são mais leves para utilizar durante o dia. Não se engane. Apesar do calor não leve um número grande de bermudas, porque as calças são mais indicadas. Não se esqueça dos chapéus e bonés.

E para as mulheres vale a pena mencionar que maquiagem é um item desnecessário em um safari, portanto, não ocupe espaço na mala com itens desse tipo. Mas não deixe de levar um bom creme hidratante. Esqueça também os sapatos de salto e as sandálias. Aposte em tênis e botas impermeáveis para se proteger das milhares de poças que as reservas apresentam.

Caso esteja planejando fazer o safari junto com crianças, prefira os meses de julho a setembro, quando o tempo é mais seco e a quantidade de insetos é menor. Mas mesmo assim não descuide no uso de repelentes. Também é aconselhável levar cerca de 3 peças de roupas por dia, e sobreponha as peças durante os game-drive. Segunda pele e calças leggings por baixo das roupas são ótimas opções. Não se esqueça dos medicamentos contra alergia e dos chapéus e bonés.

Orçamento de um safári na África

Se o orçamento estiver curto, vale a pena apostar nos períodos de baixa temporada entre os meses de abril e setembro que, coincidentemente, são as melhores épocas para fazer o safari. Nessa época, a hospedagem nessas reservas podem ficar entre US$ 300 e US$ 450 por pessoa, a diária. Já entre os meses de outubro e início de abril o valor pode chegar a US$ 800 por pessoa, a diária.

Depois de reservar o voo e a hospedagem você precisa se lembrar do deslocamento entre o Aeroporto Internacional de Johannesburgo e a reserva. É muito comum contratar um transfer para esse trajeto, que pode ficar entre US$ 200 e US$ 400. Algumas pessoas optam por um passeio ainda mais imersivo, de teco-teco do aeroporto até a reserva. A viagem fica cerca de US$ 250 por pessoa.

Durante o planejamento do seu safari, existem alguns gastos que precisam ser incluídos, além de passagem, alimentação e hospedagem. É o caso das taxas de conservação dos parques. O Kruguer, por exemplo, cobra algo em torno de R$ 150 por pessoa para acesso ao parque, no dia.

Agora que você já tem todas as dicas em mãos, que tal planejar o primeiro safári da família?

 

What's Your Reaction?

like
1
dislike
0
love
4
funny
1
angry
0
sad
0
wow
0